Google+ Followers

terça-feira, 22 de abril de 2014

A morte de Luciano do Valle

Meus amigos, vocês sabem que sempre gostei muito de esportes e nunca me intimidei por causa da deficiência física. Os adultos percebiam que eu gostava e sempre me incentivavam, seja em casa ou na escola. Se eu não podia correr, que jogasse de goleiro, então.
E o meu gosto por esportes aumentou muito depois que a Rede Bandeirantes começou as suas transmissões na década de 80. Comecei a gostar do Luciano do Valle ainda em 81 quando ele ainda trabalhava na Globo com o campeonato de fórmula 1 ganho por Nelson Piquet e o campeonato brasileiro conquistado pelo meu Grêmio. Em 82, veio a histórica narração da tragédia de Sarriá quando o Brasil perdeu da Itália.
Eu 83, Luciano foi para a Record e aí começou a mostrar o seu espírito empreendedor (talvez ele tenha saído da Globo por não ter espaço para mostrar esse seu lado) quando montou o histórico jogo de vôlei entre Brasil e União Soviética no Maracanã (para quem não sabe, parte do jogo transcorreu debaixo de chuva e os próprios jogadores tenataram secar a quadra. Depois, foi colado um carpete para que a partida acontecesse). Este é, até hoje, o jogo de voleibol com o maior público no mundo. Eu escrevi no mundo.
No ano seguinte, Luciano foi para a Band e aí começou uma revolução no esporte brasileiro. A emissora lhe deu espaço e ele criou vários programas de esporte. O destaque era o Show do Esporte com 10 horas de programação. Poucos se deram conta mas o Luciano estava criando o embrião dos canais de tv a cabo no Brasil. Além disso, tinha a Faixa Nobre do Esporte, entre outras atrações como um desafio entre o próprio Luciano e o Juarez Soares (ele começou na Band junto com o Luciano). Cada um tinha uma equipe num determinado esporte e eles mesmos tinham que jogar. Era muito divertido. Tinha esporte toda hora na Band e a Bandeirantes virou o Canal do Esporte. Ainda tinha o Verão Vivo, programa feito pela equipe de esportes da Band nas praias de São Paulo às tardes.
Para vocês terem uma ideia, o volei se tornou o segundo esporte em popularidade no Brasil graças ao espaço dado pela Band e o Luciano. Eu fui ver o Maguila lutar num Gigantinho lotado e a seleção brasileira de masters jogar duas vezes. A Fórmula Indy; a NBA e o futebol americano foram descobertos e ficaram conhecidos aqui também em função disso.
E a equipe da Band (neologismo criado pelo Datena que achava o nome Bandeirantes muito cumprido) era extremamente competente. Elia Júnior; Elis Marina; Simone Mello (eu era apaixonado por ela!); Jota Júnior; Eli Coimbra; Alexandre Santos; Januário de Oliveira; Gilson Ribeiro; Luis Ceará; Silvia Vinhas; Alvaro José; Datena; Octávio Muniz entre outros entravam na sua casa como se fossem os seus amigos. Me lembro de, uma vez, eu tinha 9 ou 10 anos e estava vendo o Show do Esporte quando comentei com o meu pai: ô pai, você percebeu como o pessoal da Band a gente chama pelo primeiro nome? Essa era a equipe de esportes da Band na época: eles faziam parte da nossa família.
Resultado disso tudo: quando eu era adolescente, decidi que seria jornalista esportivo. Eu queria trabalhar na equipe da Band ao lado de Luciano do Valle. Achava que era só pegar o microfone e sair falando (grande inocência a minha). Não consegui. As minhas únicas incursões no jornalismo esportivo foram trabalhar na rádio da LBV com o Tiago Pellizzaro; o trabalho de assessor de imprensa na FUGE (Federação Universitária Gaúcha de Esportes) e o trabalho no Grêmio. Sequer conheci o Luciano. Ficou uma pontinha de frustração mas a vida continua.
Depois, com o passar dos anos, o esporte foi perdendo espaço na Band. Luciano foi para a Record onde ficou três anos mas voltou para a sua antiga casa, dessa vez só como narrador.
No domingo anterior, depois que eu vi que o Gre-nal tava decidido, mudei para a Band para ver a final do Paulistão, que estava emocionante a ponto de ir para os penâltis. Luciano estava narrando. Mal sabíamos que era o seu último trabalho.
Fica a tristeza de ele ter ido embora tão cedo. Fica a tristeza de termos perdido uma pessoa tão empreendedora para o esporte. Luciano do Valle, sem ter sido atleta profissional, foi uma das pessoas mais importantes para o esporte brasileiro. É o tipo da perda que será difícil substituir.
Valeu, Luciano!


OBS: Para quem conhecer um pouquinho mais do Luciano, aqui vai uma entrevista no programa Bola da Vez com a equipe da ESPN Brasil: https://www.youtube.com/watch?v=XiBqH-dkFAE

Nenhum comentário:

Postar um comentário