Google+ Followers

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Lançamento da Carta Cidade Acessível

Li essa reportagem no blog do Coepede e fiquei muito feliz só de saber que os candidatos conhecem a existência de um conselho que defenda as pessoas com deficiência. É claro que não acredito totalmente nas promessas deles, que fiquei chateado com o fato de dois candidatos mandarem os seus vices e que um não mandou nem o vice mas o saldo continua positivo. Abaixo, a matéria:
A quinta-feira (23/08) foi um dia histórico na capital gaúcha. Uma ação, dentro da programação da Semana estadual da Pessoa com Deficiência, promovida pelo Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Coepede) vinculado a Secretaria da Justiça e dos Direitos Humanos, propôs um encontro com seis das sete candidaturas a prefeitura de Porto Alegre.

Conforme Roberto Oliveira, presidente do Coepede e representante do movimento de cegos, “esta carta é um compromisso político com a acessibilidade, ou seja, provoca os partidos a pensarem a cidade de forma diferente, com um olhar para o acesso a todas as pessoas.”

Compareceram Villaverde (PT), Roberto Robaina (PSOL), Jocelim Azambuja (PSL), Sebastião Melo (representando José Fortunati, do PDT), Nelcir Tessaro (representando Manuela D'Ávila do PC do B) e Érico Corrêa (PSTU).

Cada um dos presentes teve que responder a pergunta “Quais as medidas que você irá implementar, se eleito, para garantir a acessibilidade das pessoas com deficiência em Porto Alegre?”. Conforme Jorge Amaro, vice presidente do Coepede, são mais de 300.000 portoalegrenses com deficiência que precisam de políticas públicas.”

Villa – apresentou a carta “Porto Alegre Acessível” com 13 propostas, com destaque na criação de um Plano Municipal articulado com a esfera estadual e nacional, e ainda criação de um Centro de Reabilitação no antigo CRP do INSS”

Tessaro – defendeu uma cidade inovadora e com igualdade, destacando a materialização do Plano Diretor de Acessibilidade e propondo tornar Porto Alegre a capital do Turismo Acessível.

Corrêa – destaca que o primeiro conceito a ser desenvolvido em relação as pessoas com deficiência é o respeito, e para dar conta desta tarefa, é preciso desenvolver uma cultura de acessibilidade.

Robaina – A prefeitura de Porto Alegre deve dar exemplo a população e garantir a acessibilidade plena em seus prédios e equipamentos públicos. O PSOL como partido que defende os excluídos, vai atender as principais demandas das pessoas com deficiência.

Melo – A carta por uma Porto Alegre mais Acessível destaca a implantação da Secretaria Municipal de Acessibilidade e Inclusão Social e os investimentos que a prefeitura já investiu e as propostas vinculadas a Copa do Mundo de 2014.

Azambuja – propõe um planejamento da cidade até 2050, ampliando serviços de transporte saúde e educação, em especial a reforma dos meios físicos da cidade.

A avaliação de Roberto Oliveira é que o encontro foi produtivo e o Coepede deu uma contribuição ao processo democrático.



















Nenhum comentário:

Postar um comentário